sexta-feira, 21 de abril de 2017

FesTSolos IV - Edital. Inscrições até 31 de Maio de 2017



EDITAL
FEST SOLOS IV - 2017
Data: 07, 08 e 09 de Julho.
Local: USIN4 - Cabo Frio

O FesTSolos é um festival criado em 2014, idealizado por Jiddu Saldanha e Nathally Amariá, e conta também, a partir de 2016 com a Ayamô Produções (Ana Luiza Barbosa e Yuri Vasconcellos) que somam na equipe e produção do evento. Ja foram realizados 4 edições.
O FesTSolos e um espaço para o artista mostrar sua pesquisa de linguagem artística e é o primeiro festival de solos do Rio de Janeiro. O fesTSolos é aberto às multiplas linguagens cênicas tais como: Dança, teatro, performance, circo, palhaçaria, mímica, entre outras formas livres de experimento artístico.

Como participar do fesTSolos:

1 - Ter no máximo 12 minutos de duração.
2 - Ter apenas um artista no palco
3 - Não utilizar fogo e nem material inflamável.

Como participar de FesTSolos:

Comprove depósito de R$ 10,00 (Dez Reais) para a conta:
AG: Banco do Brasil
AG.: 0150-3
Cc.: 6.674-2
Titular da conta - Nathally Amariá

Preencha a Ficha de Inscrição observando os pré-requisitos abaixo.

Nome da cena
Nome da atriz ou ator
Autoria
Direção
Tempo de duração
Classificação etária.
Sinopse com máximo de 7 linhas
Texto ou roteiro da cena
3 fotos em alta resolução (300 DPI)

·    A inscrição pode ser realizada via email: festsolos@gmail.com ou diretamente com a produção [Responsável pelo recebimento das fichas de cadastro e comprovante de depósito: Nathally Amariá (22) 9-9813-5036] ;

·        O valor da da inscrição será arrecadado para podermos oferecer uma melhor estrutura no evento. Os participantes receberão registros fotográficos de alta qualidade e terão contato com um espaço aconchegante e uma equipe preparada para os atender;

·        O prazo de inscrição é de 21 de abril de 2017 à 26 de Maio de 2017;

·        O candidato pode inscrever quantos trabalhos achar necessário;


·        Para mais informações basta enviar uma mensagem para: festsolos@gmail.com

*********

FICHA DE INSCRIÇÃO - FesTSolos IV - 2017

Nome completo:________________________________________________

Cidade ___________________ Endereço____________________________

Telefone pra Contato____________________________________________

E-MAIL______________________Site ou Blog______________________


Dados do solo:
Nome da cena: ________________________________________________
Nome do grupo: _______________________________________________
Nome da atriz ou ator: __________________________________________
Autoria: _____________________________________________________
Direção: _____________________________________________________
Tempo de duração: ____________ , Classificação etária ______________

Breve currículo do participante
_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Envie para: festsolos@gmail.com os seguintes itens:

Ficha de Inscrição preenchida
3 fotos em alta resolução (300 DPI)
Texto ou roteiro da cena.
Material que irá utilizar em cena. 

sábado, 1 de abril de 2017

Resultado do festival do SATED

Poder público e artistas, juntos, pelo bem maior - A arte.
Foto: Dani Gomes.
Foi um grande momento das artes, envolvendo a Região dos Lagos. Muita energia positiva, dedicação, trabalho de equipe, sensação. Foi assim que tudo fluiu no Festival de Esquetes do SATED. Um energia positiva de luz, amor e entrega total ao teatro.
São Pedro da Aldeia, soube criar uma festa onde a paixão pela arte esteve acima de todas as coisas, com isso, viu surgir um novo clamor pela vida artística que a cidade quer, verdadeiramente, contemplar. Agora é ver a história se repetir no amor, na arte e na flor de um dos mais belos teatros do estado. 
O Teatro Municipal de São Pedro da Aldeia - Dr. Atila Costa.
Dentre as coisas mais bonitas deste festival, foi o fato de ter sido organizado no dia mundial do teatro, 27 de março. Um fato que, sem qualquer sombra de dúvida, agregou fortes energias para a prática e profissionalização da arte de ator.




CONFIRA O RESULTADO E PREMIAÇÃO.

Melhor esquete:
1º Lugar - Diz pra Mãe que eu to Com Saudade.
2º Lugar - Buraco na Parede.
3º Lugar - Infância à Luz de Vela.

Melhor diretor
Buraco na Parede.
Diz pra mãe que eu to com Saudade,
Infância à Luz de Velas.
Vencedor: Diz pra Mãe que eu to com Saudades.

Melhor ator:
Wernerson Ramalho.
Guilherme Carvalho.
Bruno Silva.
Vencedor: Guilherme Carvalho.

Melhor atriz:
Indicadas: Claudia Bispo, Claudia Mury e Parla Duarte.
Vencedora - Claudia Mury

Texto original:
Diz pra Mãe que eu tô com Saudade, Lua do Sertão e Ruídos de Domingo em Sol Amargo.
Vencedor - Lua do Sertão.

Melhor conjunto de da estética cênica:
Infância à Luz de Velas.
Ruídos de Domingo em Sol Amargo.
Vencedor: Ruídos de Domingo em Sol Amargo.

Ambientação Sonora:
Ruídos de Domingo em Sol Amargo.
Infância à Luz de Velas.
Buraco na Parece.
Vencedor: Buraco na Parede.

Para ver alguns momentos do Festival, assiste este vídeo...



sábado, 18 de março de 2017

SELCIONADOS PARA O FESTIVAL DE ESQUETES DO SATED - CABO FRIO E REGIÃO.

O SATED mandará representante para entrega dos troféus e premiação, que será em forma de cheque e mediante contra-recibo.

ATENÇÃO:

Passagem de luz e marcação de palco, a partir das 15h, até as 18:30 - Por ordem de chegada.
Cada grupo terá um tempo de 20 minutos.

*

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA OS JURADOS

O julgamento para a premiação terá como base os critérios abaixo:
O Júri atribuirá pontuação de 1 a 5 pontos para todas as categorias  e poderá tecer qualquer comentário que julgue necessário.

O Item cronometragem será considerado uma categoria. Todos os esquetes terão no mínimo 5 (cinco) e no máximo 10 (dez) minutos para se apresentar, já previsto nesse tempo, montagem e desmontagem de cenário/ambiência/adereços. Os esquetes que cumprirem esse tempo (mínimo e máximo), terão nota máxima, no entanto àqueles que não obedecerem o tempo, (mínimo e máximo),serão desclassificados, não cabendo recursos. Os jurados serão informados pela coordenação do festival sobre a cronometragem.

total de pontos de cada categoria, será conhecido através da soma dos valores dados por cada um dos elementos do Júri. No caso de empate no total de pontos, será vencedor aquele que obtiver o maior numero de nota máxima dada por cada um dos elementos do júri. Persistindo o empate, o vencedor será aquele que obtiver o maior número de nota 4 e assim sucessivamente até que se conheça o vencedor. Se ainda persistir o empate, a decisão será pelo voto de “minerva” de um dos jurados que será definido antes de começar a apuração das notas.

 Qualquer questão omissa neste regulamento será  objeto de apreciação e decisão da organização do festival, não cabendo interferência de grupos e/ou responsáveis pelos mesmos, sob pena de eliminação.

1. Melhor esquete: 1, 2º e 3º Colocados
 - Melhor conjunto: Riqueza de texto – Interpretação e composição de personagem.
 - Mensagem transmitida ao público.
 - Linguagem utilizada.


2. Melhor Diretor:
Serão consideradas a criatividade e a harmonia, além da adequação ao enredo da peça.
Direção plástica – cenário, iluminação, figurinos, maquiagem, marcações.
Direção expressiva – interpretação dos atores.


3. Melhor ator e melhor atriz:
São consideradas a expressão corporal (a postura no palco) e /ou a expressão oral (a impostação da voz, fluência de texto, o sincronismo da fala e dos gestos, o domínio de texto).

5. Melhor texto original:
São considerados àqueles que não sofreram adaptações.

6. Conjunto da estética cênica:
São considerados: A utilização do espaço cênico e teatral, indumentária, iluminação, máscaras, adereços e maquinarias. Diálogo com o horizonte de expectativa do espectador, o modo de contemplação e o caráter do espetáculo numa determinada encenação.

7. Ambientação sonora:
São considerados: O desenho de som, adequação do  texto à trilha e/ou som utilizado, musicalidade na encenação, criação do processo da sonoridade do esquete.

LISTA DE SELECIONADOS LOCAIS 
Cabo Frio e Região.

N
ESQUETE
GRUPO
CIDADE
RESPONSÁVEL
TEL
01
INFANCIA A LUZ DE VELAS
GRUPO TEATRAMA
ARARUAMA
PERLA DUARTE
99958-4790
02
DESEJO CONTIDO
GRUPO CRIA E CIA PIGMEUS
RIO D OSTRAS
CLAUDIA BISPO
999048667
03
DIZ PRA MÃE QUE EU TO COM SAUDADE
RISCO TEATRAL
CABO FRIO
BRUNO SILVA
998050314
04
LUA DO SERTÃO
TEATRAGEM
S. PEDRO ALD
MATHEUS D´CASTRO
99782-2505
05
O TEMPO É DE MEDÉIA E O DIA É DE JOANA
CIA TEATRAL IMAGEM E VOZ
CABO FRIO
VANTUI L  COSTA
99938-1814
06
MEMÓRIAS DE DERCY GONÇALVES
OS OPERARIOS DO TEATRO BRASILEIRO
S PEDRO ALDEI
GUILHERME CARVALHO
99602-1312
07
COLOQUE NO CELULAR
GRUPO ALMA
S PEDRO ALDEI
RENATA BRITO
991011572
08
RUIDOS DE DOMINGO EM SOL AMARGO
TEATRAMA
ARARUAMA
PERLA DUARTE
99958-4790
09
GUERRA DOS SEXOS
CIA TEATRAL IMAGEM E VOZ
CABO FRIO
VANTUI L  COSTA
99938-1814
10
BURACO NA PAREDE
GRUPO CRIA E CIA PIGMEUS
RIO D OSTRAS
CLAUDIA BISPO
999048667


segunda-feira, 13 de março de 2017

Ditirambo do OFICENA - Um desfile artístico com direito a juramento e CALÇADA DA FAMA.

Os gestos simbólicos são necessários para construir, no imaginário das novas gerações, o verdadeiro amor pelo teatro. Teatro, em que pese ser ou não, a escolha de um caminho, merce ser visto como um grande momento na vida de um jovem. Quem busca essa forma de viver a arte de ator, deve estar consciente de que a diversão, o prazer, a vida elaborada, requer, também, o compromisso de manter viva a chama da tradição.


Um vendaval de luz e energia artística que invadiu a cidade. O Ditirambo grego, desfile do OFICENA, é uma tradição que
veio pra ficar. Alunos cantam o samba enredo do Curso Livre do Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio. Para dar vazão ao
mar de energia e cumplicidade, do qual, o teatro não sobrevive. VENHA VOCÊ TAMBÉM!
O que não falta é novidade neste desfile de 2017, Será o quarto "DESFILE DO OFICENA", um verdadeiro Ditirambo Grego, para trazer paz, luz e muita força para os estudantes de teatro, que irão enfrentar a crise econômica que assola Cabo Frio e outras cidades brasileiras. Mas o teatro não pode parar, não pode fechar suas portas e muito menos o coração. Estudar teatro é, também, uma forma de pensar e elaborar, de forma mais profunda, as questões que nos abatem, em momentos difíceis.
Inserido na tradição de seus quase 20 anos de história, o curso de interpretação do teatro municipal, vem fazendo a alegria da cidade em muitos aspectos e, sem dúvida, cumprindo seu papel crucial, de formar platéia e ajudar a construir a economia da cultura, para o teatro da cidade. A cada ano, um novo desafio.

CONHEÇA E APRENDA NOSSO SAMBA ENREDO E VENHA CANTAR COM 
A GENTE!






Assista nosso primeiro desfile em 2015, e venha fazer parte do terceiro desfile em 2017.



domingo, 12 de março de 2017

IFFCENA - Um Grito de Liberdade.



Sim, eles são adolescentes, estão descobrindo a vida, mas não estão deslumbrados. Seus pés no chão, mostra-lhes, apenas, que a arte é urgente. É alimento para o coração é um exercício de aquecimento da alma e do coração e a transposição de uma vida passiva para uma vida ativa, focada na participação política, existencial e criativa. Com 2 anos de idade, o IFFCENA já tem muitas histórias pra contar.
Aos poucos, sua participação política e artística, dentro da escola, vai sendo, cada vez mais, respeitada e acolhida, tanto pelo corpo docente, quanto pelos colegas em sala de aula. Eles são teimosos, e vieram pra ficar!


Descobrindo o teatro, vivendo a magia da arte - Isto é o IFF CENA

O público no Teatro Municipal, prestigia o IFFCENA
Quem circular pelos corredores do IFF de Cabo Frio, vai se deparar, pelos corredores, com uma turma "diferente", é a galera do teatro, como são chamados pelos corredores e guetos da escola. Com olhos atentos, coração afinado e muita energia criativa, a "turma do teatro" é composta por 20 jovens que resolveram se dedicar à vida artística, dentro de uma escola de conteúdo puxado. 
A dois anos atrás, quando o IFFCENA começou, o aluno Alex Pinheiro, era apenas um menino curioso mas que já deixava sua marca, transformando sua presença sempre numa show de argumentação e reflexão sobre o fazer, o existir e o estar. O nível alto de reflexão, não era uma qualidade apenas do jovem Alex, todos os jovens que afluíam para o IFFCENA tinham algo de diferente. Apesar de ter de se dedicar a um padrão altíssimo do currículo escolar, traziam consigo a marca da melancolia filosófica, algo fundamental para fazer teatro.

Discussões na roda, após exercícios
teatrais.
Alguns tímidos, outros nem tanto, o fato é que, ao estrearem, em 2016, com o espetáculo "Estação Poesia", foram fortemente aplaudidos pela equipe de professores e alunos da escola. No mês seguinte, novembro, apresentaram o espetáculo no Teatro Municipal de Cabo Frio,
no IV FESQUIFF, diante de uma platéia atenta, cheia de fé e amor na arte do teatro. O resultado, não poderia ser melhor. Um público vibrante, descobrindo o tesouro do teatro estudantil de Cabo Frio. Um grupo que se afirmou, após dedicar-se de coração e alma a um empreendimento únivo, o de se tornar o primeiro curso de teatro do IFF de Cabo Frio.
Atualmente, com fortes vínculos, o grupo ganha força com a presença renovadora de novos alunos e a cada momento, restabelece energias para fazer sua nova viagem teatral. Criar um novo espetáculo, pesquisar novas possibilidades e se reinventar no processo de "Ser ou não ser". Alguns, com certeza, já pensam em fazer teatro para o resto da vida, mas isso não importa. O IFFCENA é feito do agora, e, no momento, são as descobertas de si mesmo, o que, de fato importa, para esta geração que já está dizendo a que veio.

(Jiddu Saldanha - Blogueiro e Professor de Teatro)

Estação Poesia, o primeiro espetáculo do grupo - Sucesso no Teatro Municipal de
Cabo Frio depois de estrear no sarau do IFFCENA.

sábado, 21 de janeiro de 2017

A Arte pública de Cabo Frio - 2017.

Janeiro, mês de férias e momento em que a cidade se encontra lotada de turistas, Cabo Frio tem uma bela surpresa. Artistas locais, seguem firmes em seu propósito de levar arte e amor para as praças da cidade e de fora da cidade, inúmeros artistas  fazendo arte de pública e passando o chapéu. 
É a cultura respirando ares de independência!


Nesta foro, a presença de três projetos que uniram forças "Sol sem Dó", de Duque de Caxias, "Cia. Sapato Velho" do Rio de
Janeiro e "Cidade de Palhaços", de Cabo Frio. Um encontro de muitas gargalhadas no espaço BURACO DO TATÚ.
Vim morar em Cabo Frio, em 2004 e pouquíssimas vezes vi teatro de rua na cidade, embora os artistas locais sejam muito bons, divertidos e bastante trabalhadores; entretanto, trabalhar na rua, nunca foi o forte dos artistas locais. Deste período para cá, vi algumas vezes o tradicional grupo Creche na Coxia, fazer alguns trabalhos na rua e a Trupe Andararilho, que, por volta de 2009, fez um belíssimo trabalho de rua chamado "Não fui eu". A TRIBAL - Associação Cultural Tributo à Arte e à Liberdade, em seu auge, criou uma trupe de artista e apresentou um belo alto de natal, de João Siqueira, "O Auto do Trabalhador". Foi tudo muito bonito e chegou a circular pela região, em um belo caminhão. Tirando isso, algumas tentativas de turbinar a rua com arte teatral, partiu do FESQ - Festival de Esquetes e Artes Integradas de Cabo Frio, com ótimos resultados.
A consolidação recente com o trabalho de rua local, vejo com a reestruturação do Curso de Interpretação do Teatro Municipal, que, a partir de 2013 recebeu o nome de OFICENA. Com um investimento pedagógico pesado em cima das novas gerações, conseguiu levar os alunos para a praça e, posteriormente, fomentar a atividade de grupos novos com o intuito de se apresentarem, também, nas ruas e praças da cidade. Foi um desbunde que começou em 2015 e entrou em 2017 com força total. Este ano, o mês de janeiro começou um pouco tímido, com os novos grupos mais agressivos, das novas gerações, em fase de negociação interna e reestruturação de suas equipes. O resultado está sendo um mês de janeiro um pouco tímido para as artes públicas locais. Tudo isso, coincidindo com uma mudança na gestão política da cidade, normal, novas propostas, identificação dos grupos, desconstrução, reconstrução e por aí vai.

Com uma platéia forte e consistente, Rufino leva sua trupe para o ESPAÇO CAPOEIRA. Ajudando a organizar a ação dos
artistas de rua tanto locais como de fora da cidade, assim, o bolo é repartido entre todos de forma igualitária. É a arte pública
entrando em 2017, já com uma organização melhor, em Cabo Frio.
Mas a arte pública respirou com força, dessa vez, com uma figura da cidade que, desde que veio morar em Cabo Frio,  nunca deixou de fazer seu trabalho na rua, de forma estruturada. Rufino, tem sido uma grande força de inspiração para o teatro local. Ele começou 2017, puxando o bonde dos artistas, propondo uma escala de horário para o ponto principal da praça, o ESPAÇO CAPOEIRA, que tem a iluminação menos precária para os artistas trabalharem. Rufino conseguiu chamar todo mundo para o diálogo, inclusive os artistas de fora, que passaram a seguir uma regra simples, sem imposições e que fosse bom pra todo mundo. O resultado é um súbito fortalecimento da arte pública que chamou, mais uma vez, a atenção nacional para Cabo Frio.
Recentemente, a Cia. Sapato Velho, do Rio de Janeiro juntou forças com a cia Sol sem Dó, da baixada, e juntos, fizeram uma parceria incrível com uma bela temporada no espaço BURACO DO TATU, que virou ponto de encontro de bandas artísticas e o pessoal do RAP, que passaram a se juntar para fazer batalhas de poesia e dança de rua. O BURACO DO TATU, virou o espaço underground das artes públicas de Cabo Frio, local para experimentações e muita farra, dando aos turistas, a alternativa de curtir a vida cultural pulsante de Cabo Frio.

Depois de se apresentar no ESPAÇO CAPOEIRA, o TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, se confraterniza com os amigos.


No bojo dos novos acontecimentos, o TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, o Sarau Flores Literária e a Cia. Andança por um Teatro Livre, marcaram presença na escadaria do teatro municipal e, posteriormente, foram, também para o ESPAÇO CAPOEIRA, onde fizeram seus trabalhos fluir, em contato com uma platéia de turistas que se divertiram muito com a programação oficial que, passou a fazer da praça, também, seu espaço de expressão artística.
Com tantas mudanças acontecendo no mundo das artes locais, além de uma mudança política em escala mundial, a arte pública começa a dar sinais de vida inteligente na cidade de Cabo Frio, onde, a vocação para o fazer artístico é tão antiga quanto a cidade, e que, no entanto, o engajamento daqueles que fazem arte local, está, cada vez mais, se imbuindo de força e energia para mostrar uma "outra praia", onde a cultura dá seu brado de resistência.
BORA PRA PRAÇA, MEU POVO!