quinta-feira, 2 de agosto de 2018

FesTSolos V - Investe em roda de bate papo com ousadia.


RODA DE BATE PAPO

TEMA - Diversidade, Arte e Cultura
Reflexão sobre a diversidade no fazer artístico de nossa sociedade

É com prazer que a equipe do FesTSolos convida-os a participar da mesa de bate papo e somar com os pensares necessários para que possamos, todos, seguir na busca de reflexão sobre artes e possibilidades outras. Desde já agradecemos.

SOBRE O DEBATE

A diversidade não é uma “palavra da moda”, é um AXIOMA ( substantivo masculino -  FILOSOFIA - premissa considerada necessariamente evidente e verdadeira, fundamento de uma demonstração, porém ela mesma indemonstrável, originada, segundo a tradição racionalista, de princípios inatos da consciência ou, segundo os empiristas, de generalizações da observação empírica [O princípio aristotélico da contradição ("nada pode ser e não ser simultaneamente") foi considerado desde a Antiguidade um axioma fundamental da filosofia.
Dito isso, queremos conversar sobre um tema que precisamos ficar sempre atentos, sobretudo nos dias atuais em que, direitos estão sendo cassados de forma aleatória, mas não sem a intenção. Pensar este tema, no universo da arte é o que nos faz respirar e conspirar juntos.

05 de agosto, (domingo), às 17:00, no Teatro Usina4.
Rua Geraldo de Abreu, nº4 JDIM Excelsior.

CONVIDADOS

Rodrigo Cintra – mediador.

Rodrigo Cintra é fundador e curador do cineclube ConheCinema, já tendo ministrado o curso de audiovisual na Universidade Veiga de Almeida em parceria com a Secretaria de Educação de Cabo Frio em 2018. Cintra estuda Comunicação Social, com foco em jornalismo e cinema.

Celso Guimarães Júnior

Professor de Biologia, natural de Cabo Frio, conheceu o teatro enquanto fazia a faculdade em 2014, através do Curso Livre de Teatro de Cabo Frio "OFICENA". Tem como Ítalo L. Moreira, Jiddu Saldanha  e Yuri Vasconcelos. No curso estudou, dirigiu, produziu e interpretou espetáculos, dentre eles os Clássicos "O Auto da Compadecida" e "O Inspetor Geral". Participou do grupo de teatro TCC "Teatro Cabofriense de Comédia",  onde participou de espectáculos como a montagem de "Piquenique no Front" e "Balaco de Baco". Pôde participar de eventos artísticos como TCCEXTA,  Cinemosquito e o maravilhoso Festsolos até o início de 2018. Atualmente o ator aluno,  é universitário de Estética e Teoria do Teatro na Unirio e participa das montagens de três espetáculos no Estado do RJ, almeja um dia contribuir de forma reflexiva na construção de uma sociedade mais justa através Arte.

Cinthia Gil

Publicitária e  sócia diretora da CUPULLA - Coletivo em Comunicação, Arte e Cultura

Daniel Arm

Daniel Arm é músico, compositor, artista plástico, ator e estudante de filosofia na Universidade Federal Fluminense em Niterói.
Começou sua carreira na cidade de Cabo frio, ainda cedo
na música e na pintura, por influência do pai, construí suas primeiras relações com os sons e as cores.
No curso Livre de teatro da cidade( Oficena) descobre o teatro e o pensar sobre o fazer teatral e a vida, onde encontra extensão e aprofundamento na filosofia.

Matheus D’Castro

Matheus D'Castro, jovem de 23 anos que leva pra sua vida o ofício de ator/diretor/autor e produtor, vem se realizando como artista.
Estudante de teatro desde os 10 anos de idade, o jovem artista carioca dirigi atualmente a CIA TEATRAL ENTRE NÓS.

Sarah Wagner

Sara Wagner Pimenta Gonçalves Júnior, graduada em Letras - Inglês (Licenciatura / UNESA) e Pedagogia (Licenciatura / UERJ ). Especialista em Gestão Pública na Cultura (UFRRJ) e Escola de Tempo Integral (UFGo). Enquanto ativista LGBTQI+, trabalhou junto a ONG Britânica Sahir House no Reino Unido, em ações de inclusão de refugiados vindos do Oriente Médio e África. Mestranda em Educação - ProPEd - CAPES 7 pelo Geni - Grupo de Estudos em Gênero, Sexualidade e(m) Interseccionalidades na Educação e(m) Saúde, cujo a linha de pesquisa é norteada pelo Prof.Dr. Fernando A. Pocahy. Pesquisadora (em Linguagens) em Políticas Públicas e Cultura em Direitos Humanos, pelo NEPP-DH/ UFRJ, sob orientação do Prof.Dr. Sérgio Luiz Baptista da Silva. Premiada com a Medalha ALUMNI da Universidade Estácio de Sá (2017) pelos trabalhos científicos desenvolvidos junto a comunidade.

Tamires Borges

Escritora Amadora e Licenciada Plena em História. Atualmente, estuda temáticas ligadas ao Brasil Contemporâneo.
Autora do site que tem seu nome, onde escreve crônicas, artigos de opinião e atualidades, fala de livros e faz ainda entrevistas com público local (moradores ou não), falando sobre diversos temas que apóia e acredita.
Já participou como autora do site Obvious Magazine – Plataforma Online de Escrita Colaborativa em Língua Portuguesa e escreve hoje para a Revista Expresso da Qualidade, que circula no ramo do transporte.
É dramaturga, autora de peças como "Todo o Silêncio tem um nome", "Pequena Notável" e "O menino de alma preta".

(Jidduks)

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Macunaíma: Em busca do Brasil perdido.

Marcos Souza, Rafaela Solano e Rodrigo Rodrigues cena da peça
"Macunaíma" - Foto: Jidduks
A peça "Macunaíma", dirigida e adaptada por José Facury, com consultoria de Geraldo Chacon a partir da obra de Mário de Andrade, teve sua pré-estréia no USIN4, dia 12 de Maio, às 21h. Um dia antes da abolição e, portanto, momento simbólico para discutir um Brasil que agoniza na solidão e na melancolia. 
Tanto a obra de Mario de Andrade quanto a forma como o espetáculo foi conduzido, passa, de forma clara, uma sensação de que Macunaíma é um autêntico D. Quixote, lutando contra os moinhos de ventos da vida. Na platéia, o mais pleno silêncio, ainda que um ligeiro humor e até, por vezes, gargalhadas. Mas a peça disse a que veio, discutindo, de forma ácida, cômica, dramática e lúdica a questão da identidade brasileira.
O elenco foi um feliz encontro entre Rodrigo Rodrigues e Rafaela Solano, artistas já veteranos, da cidade, irmanados com a energia pulsante e criativa do ator Marcos Souza, da nova geração, que forjou seu conhecimento teatral nas escolas locais. Marcos é aluno do OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio  e fez também a escola Marcelo Pires, onde se dedicou ao audiovisual e à interpretação para as câmeras. 
Desenho de Yuri Vasconcelos durante a pré-estreia de
"Macunaíma" - Acervo: Jidduks
O elenco não podia ser melhor escolhido, todos artistas de grande verve na arte da atuação, combatendo no palco para contar uma história que, até um certo ponto, é bastante complexa, já que, segundo a crítica, Macunaíma seria a tentativa de ir em busca das origens de um Brasil mais real, face a uma sociedade que se transforma e se acomoda nos "desvalores" da baixa autoestima de uma nação.
O trabalho de adereçagem, figurinos e cenografia, levam uma assinatura de peso. Tânea Arrabal e José Facury, trazendo para o palco, a síntese criativa desses dois artistas, que se dedicam ao teatro ha mais de 40 anos. A ideia de um cenário orgânico que se transforma em rede, floresta e até a grande São Paulo, funciona muito bem e faz o público viajar de um lugar a outro na velocidade do google.
A peça teve uma estréia justa e tudo fluiu. Atores nervosos, porém, focados em dar seu melhor. Equilíbrio e respiração para ajustar o corpo a um espaço cênico pequeno, mas acolhedor, foi o mote da noite de pré-estréia. 
Acredito que "Macunaima" vai crescer muito ao longo da temporada, que já está agendada para Rio das Ostras, num grande teatro e com temporada confirmada para Cabo Frio, no espaço USIN4 onde irá continuar por um mês e depois ganhar novos palcos pelo Brasil a fora. 

(Jidduks)

sábado, 12 de maio de 2018

O Blá Blá Blá de Mírian Panzer

Mirian Panzer - Domínio absoluto das técnicas de atuação em "O Blá Blá Blá"!
Ontem o teatro municipal de Cabo Frio, sorriu ao ver no palco uma de suas filhas mais ilustres. Isto mesmo, Mirian Panzer viveu sua primeira faze artística, em Cabo Frio onde sente maior orgulho em declarar sua relação de aprendizado e crescimento com o saudoso Frederico Araújo e o encenador Ítalo Luiz Moreira. Foi daqui que ela voou pro mundo. Hoje, com um belo espetáculo em seu repertório , "O Blá Blá Blá" de Alberto Soares, com direção de Sisneiros, ela segue construindo uma carreira sólida e determinada, como só os grandes artistas o conseguem.
No palco, ela dominou completamente as partituras corporais, fazendo uma cena com total sintonia à proposta da direção. Cada detalhe de sua movimentação tinha o encaixe perfeito e quem viu o espetáculo ontem, certamente, vai ficar com aquela imagem martelando em sua cabeça, uma triangulação pelo palco que começa com a participação da platéia. Mírian, habilidosamente, consegue com poucas palavras convencer o público a montar seu cenário, uma intervenção performática que dá um charme especial ao trabalho.
Outra coisa que é bom atentar é a respiração e e dicção para a emissão da voz. Numa peça com muito texto, chegar ao nível de vocalização que ela conseguiu, não é fácil. Uma atriz para atingir este grau de emissão precisa treinar muito o que vale dizer que, sem sombra de dúvida, "O Blá Blá Blá" é, antes de tudo, um espetáculo bem ensaiado e coloca Mírian no nível das grandes atrizes, sem sobra de dúvida.
Como disse Sisneiros, no ligeiro bate papo que teve com a platéia, o espetáculo foi criado com extrema complexidade mas pra fazer tudo parecer simples e, obviamente, quem conhece teatro sabe que nada foi simples. Cada gesto, cada movimentação e cada posicionamento na luz, exigia uma intrincada sequência e que, nós, com alegria, conferimos nesta deliciosa comédia dramática.
Aplaudida de pé, por um platéia composta em sua maioria, por alunos do OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal, Míriam deixou claro que fazer teatro e um exercício meticuloso de dedicação, amor e perseverança. Ao final, sentimos claramente que este espetáculo, que tem apenas um ano de vida, ainda vai dar muitas alegrias nos grandes palcos brasileiros. 
Evoé, Mírian Panzer.

(Jidduks)

segunda-feira, 16 de abril de 2018

O Riso Santo de cada dia.

A Oficina da Cidade de Palhaços, "Descubra o seu Palhaço" foi uma lição de vida e ternura. Jovens focados em construir um universo de riso santo e muito amor, foi esta a impressão que ficou. Foram momentos de muita gargalhada e pesquisa, descoberta de muita arte e esplendor e cada estudante da oficina, foi embora, com uma flor pregada no coração. Uma flor plena de  perfume, o perfume da vida e repleto de humanidade. 
Durante a oficina, cada palhaço recebe um nome e cada nome, grava um silêncio e depois ecoa na alma do universo. Foi assim que, o dia 14 e 15 de abril de 2018, se instalou como memória e lembrança para cada uma das 9 pessoas que fizeram a oficina. Agora, o tempo será senhor desta flor que será cultivada na alma e no coração de cada uma daquelas pessoas. A nós, resta apenas a lembrança de que a vida vale a pena, pelo que ela nos apresenta de desafios e possibilidades.

Henrique de Bragança - Foto: Jidduks

Lorena Martins - Foto: Jidduks

Ilana Agnes - Foto: Jidduks

Yaila Rosa - Foto: Jidduks

Crisleide Mallet - Foto: Jidduks

Sollano Gomes - Foto: Jidduks

Schirlley Maia - Foto: Jidduks

Mario Sales - Foto: Jidduks

segunda-feira, 26 de março de 2018

Segundo festival de Esquetes do SATED, em Araruama.

Teatro Municipal de Araruama - Reinaugurado em 2017.
Um momento muito especial da vida artística, para quem curte fazer e ver teatro, vai acontecer, amanhã, no Teatro Municipal de Araruama. Mais um belo encontro dos que fazem arte, dos que promovem e dos que curtem assistir. O primeiro festival do SATED, aconteceu ano passado (2017) no Teatro Municipal Átila Costa, e São Pedro da Aldeia e, agora, em Araruama, promete ser um grande festival, com grandes possibilidades, cada vez mais, de crescimento futuro.
É muito importante para nós, este tipo de festival, porque agrega artistas locais e faz o teatro acontecer nas grandes casas de espetáculo da Região. Fundamental a presença do SATED neste tipo de abordagem, porque ajuda a construir o caminho que todos sonham, de fazer arte, apenas, cada qual com sua paixão e todos juntos, pela união da classe artística que, como sempre, se doa para a sociedade, muitas das vezes, sendo discriminada.
No Teatro Municipal de Araruama - Graciliano Torres Quintanilha.
São nestes festivais que os jovens se empoderam, descobrem a aprofundam talentos e acabam desenvolvendo a capacidade, cada vez maior, de seguir enfrente com suas descobertas, ajudando a construir uma ecologia artística local, cada vez mais forte.

SERVIÇO:
Segundo Festival de Esquetes do SATED - 2018
Local: Teatro Municipal de Araruama.
Data: 27.03.2018
Hora: 19h.
Endreço: Parque Hotel Araruama - RJ

sábado, 17 de março de 2018

Clube do Teatro abre alas para Tamires Borges.

Tamires Borges, apresentará o
Clube do Teatro Quarta Edição em
Março de 2018.
A jovem escritora que participou, durante um ano, do OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio, também se revelou ótima atriz-estudante, dedicada às aulas do professor Ítalo. Durante o período que ficou, deu seu recado, foi bem produtiva e terminada a missão, partiu para viver sua vida artística com planos de dedicar-se ao seu site de literatura e frequentar a vida artística da cidade. 
Seu talento já era notório, quando, durante o curso, emplacou diversas peças de sua autoria, tanto como montagem dos alunos, como a própria leitura coletiva do curso, além de uma dedicada e assídua participação no NUDRA - Núcleo Livre de Dramaturgia. Foi assim, durante o ano de 2017. .
Ela participou do 4º FesTSolos, com sua peça "A pequena notável", texto em que protagonizou, além da escrita; a atuação. Fez o papel de Carmen Miranda e teve muito retorno da platéia, tanto que, foi convidada para fazer parte da primeira e histórica edição do Clube do Teatro, no dia 28 de agosto de 2017, no espaço USIN4, onde começou a história deste evento dedicado exclusivamente ao teatro da cidade.
Ficamos felizes por ela aceitar o convite para apresentar o Clube do Teatro - 4ª Edição, momento em que os artistas de teatro da cidade, se encontram para dar as mãos e ajudam a criar um dos mais belos espetáculos coletivos para o deleite do público local. O Clube do Teatro é um evento feito, especialmente, para quebrar paradigmas artísticos na cidade. Ajudar a formar platéia mas também, unir a classe artística teatral em torno dos fazeres artísticos, sem nenhum tipo de julgamento, deixando apenas ao público o papel de dizer o que gosta ou não gosta.

SERVIÇO:
Clube do Teatro 4ª Edição.
Local: Espaço Cultural USIN4
Data: 24 de Março - 2018
Hora: 20h.
Ingresso: R$ 20,00 - INTEIRA / R$ 15,00 INTEIRA ANTECIPADA / R$ 10,00 MEIA.



terça-feira, 13 de março de 2018

Descubra o palhaço dentro de você!

A "Cidade de Palhaços" oferece sua 5ª Oficina de iniciação à arte da palhaçaria. Venha se divertir e viver os encantos desta rica forma de expressão artística.
Tanto o cortejo como o batismo de palhaços são dois momentos símbolos de mergulho na arte da palhaçaria brasileira.
DESCUBRA SEU PALHAÇO - 2018

A oficina de iniciação à arte da palhaçaria, oferece a possibilidade da descoberta de um caminho  possível para aqueles que querem acrescentar a alegria e a crítica em sua vida artística, sem perder a ternura. Os palhaços não são apenas profissionais do riso, vão muito além, pois buscam, acima de tudo, fazer do riso um ponto forte de conexão entre as pessoas, quer seja artista ou público.


Com 5 anos de atividade, a Cidade de Palhaços, vem despertando olhares para esta arte em Cabo Frio e região. Com vivências iniciadas em 2013, junto ao OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio, o trabalho cresceu e se espalhou a partir de 2016, quando o TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, montou a peça "Palhaçada à Brasileira", espetáculo que exigiu um treinamento do grupo dentro de algumas técnicas de palhaçaria de rua e palco. Foi assim que, durante todo o ano de 2016, o grupo realizou mais de 30 apresentações deste espetáculo, colocando em prática as inúmeras possibilidades da arte do palhaço tais como: Cortejo, dramaturgia de palhaçaria teatral e reprise de palhaçaria tradicional.
Ha 20 anos atrás a prática da arte do palhaço era, praticamente, uma atividade secreta, restrita apenas a quem trabalhava em circo ou elenco fixo de teatro de variedades, além de entretenimentos em festinhas de aniversário e programas de TV. Hoje, a arte ganhou volume e é apreciada por pessoas que, inclusive, se dedicam apenas ao fazer "palhaçal". Para o artista é muito importante dar voz ao seu lado mais engraçado, além de aprofundar a psiquê de sua essência "palhacesa", isto vai ajudá-lo em quaisquer outros tipos de expressão como música, teatro e até mesmo no mundo do trabalho fora da realidade artística, pois, nem sempre quem faz uma oficina de palhaçaria, deseja ser palhaço profissional.
A Oficina da cidade de palhaços, hoje, tem credibilidade o suficiente para levar o conhecimento desta arte por todo o Brasil, quer seja na forma de espetáculo ou em forma de troca de conhecimento e desenvolvimento da arte de rua, palco e picadeiro. 

Clique na CIDADE DE PALHAÇOS - 2018 e curta nossa página no facebook.

Serviço:
Oficina "Descubra o seu Palhaço".
Data - 14 e 15 de Abril de 2018.
Maiores infomrações -