quarta-feira, 30 de setembro de 2015

COMENTÁRIO SOBRE O FESQ 13 - Por Jiddu Saldanha.

O FESQ 13, foi um acontecimento especial e diferenciado, dentro da estrutura dos últimos FESQS. Este, de 2015, primou pela reinvenção de sua própria estrutura, tanto artística, quanto logística.

O Bate Papo do FESQ é um momento onde os grupos podem refletir melhor sobre suas cenas e definir novos rumos para sua
linguagem.
Um evento cada vez mais  profissional e complexo, exige muito dos produtores e das equipes constituídas, quer sejam, contratados, voluntários ou convidados.
Dentre as formas de reinvenção do FESQ, destaco o apresentador, Rodrigo Rodrigues, que entrou em cena mais arejado, com uma gama de novos personagens e segurou a peteca do começo ao fim. Dessa vez, além de construir novos olhares sobre suas personagens, esteve mais enxuto no palco, e interagiu na medida certa de sua irreverência característica.
Outro momento de reinvenção foi a forma vigorosa como a produção investiu no teatro de rua, não só na abertura de portas para grupos locais de forma planejada, mas também, por criar uma organização mais eficiente e mais visível para toda a cidade.
O Teatro Municipal de Cabo Frio, está cada vez menor, para abraçar um evento de tamanha importância. O FESQ merecia mais espaço para se expandir, mas a produção o fez de forma criativa; ao transformar o FESQ BAR num ambiente onde a festa, definitivamente, se torna um momento para além do mero consumo, ocupado, definitivamente pela expressão artística. 
Este ano, a presença do coletivo "La Vai Maria", deu, definitivamente ao território do FESQ BAR, uma aura de espaço totalmente tomado por artistas e pela arte.

SOBRE A CURADORIA
Cabo Frio ficou com uma fatia suficiente na participação competitiva, dois grupos, (Trupe Andarilhos e Creche na Coxia); mas houve inovação na participação de grupos convidados locais e da região, além da presença de um dos grandes nomes do teatro brasileiro, Guti Fraga.
A extensão do grupo "Nós do Morro", situado em Saquarema, com seu espetáculo "O Rapé" foi um grande acerto, além da presença da peça "Vanice no País da Armadilhas", contemplando nomes de peso de São Pedro da Aldeia, como a atriz Rafaela Solano e o diretor Marcelo Tosta.
A presença do TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, fazendo a abertura do primeiro dia e apresentações na rua e, também, a participação do OFICENA - Curso Livre de Teatro de Cabo Frio, com a peça "O Inspetor Geral", foi, sem dúvida, uma cartada positiva, na estratégia de inserção de novos artistas locais, no complexo tabuleiro artístico da cidade.

SOBRE O JÚRI
Todo Júri é sempre polêmico. Historicamente, foram raras as vezes em que a opinião do Júri, coincidiu com a visão do público e dos artistas envolvidos na parte competitiva do evento. Mas uma coisa que sempre procuro orientar, nos debates, é que um Júri, composto por 3 convidados, se movimenta num complexo tabuleiro de xadrez, revelando sempre sua própria tendência.
Na visão do público, "tal peça é melhor e pronto". Já, na visão do Júri, existem configurações estéticas que vão, de forma natural ou planejada, classificando os trabalhos em tendências e possibilidades possíveis de intensos debates.
Hoje em dia, todos nós sabemos que teatro não é uma coisa só, e sim, uma configuração artística complexa onde se misturam escolas diferenciadas, níveis contrastantes e fusão de linguagens que podem surpreender, tornando a cabeça do Júri, totalmente focada no debate para conseguir, não só, contemplar o melhor, mas também as tendências apresentadas no evento como um todo.

COMENTÁRIO SOBRE OS TRABALHOS PREMIADOS

MEU NOME É ERNESTO - Grupo Primitivos
Melhor atriz
Melhor esquete
Nem sempre uma cena consegue agradar o público e o júri.  "Meu Nome é Ernesto" conseguiu esse feito. Levou os prêmios de melhor esquete, e melhor atriz para Jéssica Menkel. Deixou o público extasiado e impressionado com o desempenho tanto do elenco, quanto da caracterização.
Através de uma pesquisa rigorosa, a equipe desta cena, conseguiu dar vitalidade a personagens que passaram fragilidade e vigor, um verdadeiro desafio, pois, não é fácil para atores jovens, interpretar personagens de idade avançada.

CHÃO DE PEQUENOS - Cia Negra de Teatro
Melhor direção.
Melhor esquete
Trazendo um teatro engajado e ao mesmo tempo contemporâneo, a Cia Negra de Teatro, recebeu os prêmios de melhor direção, para Thiago Gambogi. Além de ser uma das três contempladas com o prêmio de melhor esquete.
A cena, construída de forma quase haicaística, primou pela economia de signos. Evitou lugares comuns e se apropriou de forma inteligente, dos elementos formais da linguagem teatral e da dança-teatro, mesclando o discurso da compaixão e do inconformismo, com a forte energia criativa de um elenco preparado e um diretor de mão segura.
A cena variou entre a encenação e a performance, se fazendo valer de elementos como o teatro invisível, que é de profunda reflexão política. A surpresa foi ver os atores fazendo performance na escadaria do teatro de forma inesperada e que causou grande comoção no público. Convenceu o Júri.

O VELHINHO E A MORTE - Creche na Coxia
Melhor esquete
Melhor figurino
"O Velhinho e a Morte", traz um grupo coeso e vigoroso em cena, fazendo um tipo de teatro que exige uma partitura corporal afinada e ativa, além de grande concentração do elenco.
A peça tinha um ritmo impecável, com encaixes que proporcionou grande prazer ao público e, também, ao Júri, que a premiou com MELHOR FIGURINO e MELHOR ESQUETE.

A TERRÍVEL PLANÍCIE DE KENÓTITA - Coletivo Areia de Comer
Melhor ator
Melhor esquete júri popular.
Com excelente desempenho em cena, o ator Matheus Macena, ganhador do prêmio de melhor ator, foi quase uma unanimidade entre público e júri. Não foram poucos os entusiastas que o saudaram como merecedor do prêmio. Sua movimentação de cena, com riquíssima gramática corporal e uma voz soberba, trouxe-lhe, no FESQ, um belo momento de sua carreira.
A cena, muito bem construída, fez combinar cenário, figurino e iluminação, além, claro, de um belíssimo momento, onde a poeta Elvira, de Cabo Frio, de forma sutil fez uma inteiração com Matheus Macena, ao colocar no tapete de livros de seu personagem, o livro que fora escrito por ela. A cena, deixou o público surpreso e, ao mesmo tempo, se inseriu no tempo poético do espetáculo. Coisas assim, só se vê uma vez na vida. Neste momento, Matheus mostrou sua personalidade ao transformar, pela mágica de sua interpretação, o momento de intervenção, em pura poesia. Ganhou o espetáculo. Este acontecimento ficará gravado para sempre, na memória afetiva do FESQ.

GOLDEN GATE BRIDGE - Grupo Suicidas Teatrais
Melhor texto
Melhor concepção cenográfica
Comédia que mistura absurdo ao romantismo, com uma forte dose de niilismo, é impressionante a eficiência do texto, que valeu, para Ygor Cosso, uma premiação de MELHOR TEXTO. Trabalho original e divertido.
Levou também o prêmio de melhor cenografia, para Marcela Rica e Ygor Cosso; solução inteligente para reconstruir a ideia da famosa Golden Gate. O cenário, parecia uma escultura que dava uma bela possibilidade de triangulação para os atores que o fizeram, o tempo todo, em plano alto e com muita competência. Foram reconhecidos pelo Júri, que percebeu a sofisticação de uma comédia inteligente e eficiente, no palco.

VALKÍRIA - GRUPO TEATRALHA
Prêmio Especial do Júri
O Grupo TEATRALHA, impressionou pela presença e engajamento no FESQ, compareceu em todos os debates e não perdia nenhuma apresentação, tanto dos colegas, como da programação extra do evento. O tempo todo, participando das ações e marcando presença nos debates, foi, aos poucos, impondo sua militância artística.
A esquete "Walkíria" foi provocante em diversos aspectos, pois, além de constituir num imenso desafio à atriz Larissa Gonçalves, que tinha de correr o tempo todo em cena, enquanto dava o texto, criando ótima interface com o trabalho autoral do próprio Jô Bilac, que o escreveu, como um exercício de linguagem, sugerindo uma forma diferente de carpintaria dramatúrgica.

* Jiddu Saldanha é coordenador dos debates do FESQ.

domingo, 9 de agosto de 2015

Um ano de TCC - Teatro Cabofriense de Comédia.

Um ano depois da montagem de sua primeira peça,"Ditadura", um texto de Nathally Amariá e direção de Lauren Christie, Nathally e Keren-Hapuk, o TCC se afirma como grupo e prepara sua nova montagem teatral; a peça "Balaco de Baco" que discute a condição do ator no atual contexto da vida artística do País. Aproveitando o fluxo de construção do grupo, para afirmar seu conceito de "coletivo que não é coletivo".  Sim, o grupo é um coletivo, mas diferentemente dos coletivos tradicionais onde a maioria dos participantes apenas "emprestam o nome" para fazer parte, enquanto dois ou três trabalham, de fato, no TCC - Teatro Cabofriense de comédia, essa relação é inversamente proporcional, o grupo se construiu de forma coletiva mas tem metas que se inspiram na confiança para fazer mudar de mãos, quando necessário, uma atividade que precisa ser resolvida com urgência. Com isso, o grupo se livra da inércia, uma praga que ronda todos os coletivos baseados, exclusivamente e equivocadamente, no afeto.
Sim, existe afeto no TCC, as pessoas se curtem se gostam, andam juntos, mas se o assunto for trabalho, o foco é a produção e a construção do OFÍCIO. E é essa consciência que faz do grupo, um espaço para o crescimento profissional.

Ainda em formação mas já com uma agenda e uma rotina firmada, 
o TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, decidiu levar
o teatro a sério. Para isso, vem buscando parcerias e ampliando 
sua agenda de trabalho.
Em busca de conhecimento e sedimentação de um OFÍCIO.

É no OFICENA - Curso Livre de Teatro de Cabo Frio, que os jovens do TCC buscam seu aprendizado e formação como artistas que estão conhecendo o complexo oficio por trás da arte do ator. Mais do que isso, o grupo que compõe o TCC, tem afinidade com o estudo e deixa claro, em suas ações dentro ou fora do curso, que o teatro é sua razão maior para estar no mundo. 
Em 2014, o grupo estudou Técnicas de Butoh, com Thomaz de Aquino, ator e estudioso de Fortaleza - CE, e em 2015 no final de Julho, o TCC foi convidado para fazer parte da vivência "En La barca encontros", onde puderam fazer, com Bruno Peixoto e Anna Fernanda, um mergulho na arte da "lapidação de cenas teatrais", através da vivência e criação de um espetáculo enquanto a troca artística era feita em tempo real.
No dia 13 de Setembro de 2014, uma OFICINA de Butoh, 
umsonho realizado com o professor Thomáz de Aquino, 
dacidade de Fortaleza - CE
Durante os anos de 2014 e 2015, o grupo não parou de produzir. Ensaiou a cena "Eu só liguei pra dizer que te amo" fazendo a primeira apresentação oficial no Espaço Aroeira, iniciando a prática de fazer teatro em espaços diferenciados e não apenas na casa de espetáculos da cidade de Cabo Frio, único teatro da cidade e com uma agenda completamente lotada, tendo que responder à demanda artística da cidade, que não para.
Nos dias 17, 18, 30 e 31 de Janeiro de 2015, o grupo estreou sua primeira peça longa, "Piquenique no Front", de Fernando Arrabal, com direção de Jiddu Saldanha e um elenco formado por Guilherme Costa, posteriormente substituído por Danilo Tavares que somou aos demais atores participantes: Sarah Fortes, Gustavo Vieira, Beatriz Ebecken, Gustavo Vieira e Nathally Amariá.

Kéren-Hapuk e Sarah Fortes, ensaio musical e carinho.
Foto: Manuela Ellon
TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, completa um ano lançando seu novo espetáculo no, dia 23 de agosto, no Teatro Municipal.

                     BALACO DE BACO

            Domingo, dia 23 de agosto, às 20h. a peça "BALACO DE BACO", encenada pelo TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, estará em cartaz no Teatro Municipal Inah de Azevedo Mureb, em Cabo Frio. Neste trabalho, o grupo reúne seus participantes que se dedicam ao grupo a um ano. Além de atores, contrarregras e produção; o grupo é formado por dramaturgos, músicos, atores e maquiadores, o que facilita um trabalho intenso de criação.
            Dirigido por Jiddu Saldanha, é um espetáculo que: "fala de um grupo teatral que descobre, uma pauta vaga, numa casa de espetáculos e,  aproveita para o mostrar seu repertório às pressas, já que a data está em cima da hora. Sem dinheiro para divulgar e pagar o elenco; o grupo corre como um desesperado para fazer o que pode e tentar ganhar um dinheiro da bilheteria para pagar um figurinista que fugiu para o Rio de Janeiro". Só existe uma saída, mostrar as cenas curtas que o grupo vinha ensaiando sem motivo".
            O TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, iniciou sua atividade artística em agosto de 2014, mês que completa um ano de atividade. Fez sua primeira participação pública, com a peça "Ditadura". Seu repertório nasceu da participação intensa em eventos consagrados ao teatro local: Fest Solos, FESQ, e Cenas do OFICENA.
            Posteriormente, o TCC, fez sua primeira montagem de rua, com a peça "Piquenique no Front", de Fernando Arrabal e direção de Jiddu Saldanha. O grupo é formado por Nathally Amariá, Gustavo Vieira, Celso Guimarães, Sarah Fortes, Beatriz Ebecken, Keren-Hapuk, Matheus Neves, Danilo Tavares, Jean Monteiro, Henrique Selani, Duda Machado, Anna Alves e Gabriel Rodrigues Neto.
            O espetáculo "Balaco de Baco" reúne todo o potencial possível do TCC, com atividades assinadas individualmente, pelos talentos do grupo, mas também, e principalmente, com a parceira firmada para o intenso mergulho no fazer teatral. Num certo sentido, o grupo se articula como um coletivo ao mesmo tempo que estimula cada participante a dar o seu melhor, a serviço do espetáculo.

SERVIÇO:
 
ESPETÁCULO: "Balaco de Baco"
LOCAL: Teatro Municipal Inah de Azevedo Mureb
DATA: 23 de agosto - 2015
HORA: 20h.
ENDEREÇO: Rua Aníbal do Vale S/N. Centro - Cabo Frio / RJ
Ingressos: R$ 5,00 - meia e R$ 10,00 inteira.
Comemoração de 1 ano de TCC - Teatro Cabofriense de Comédia.
ELENCO: Nathally Amariá, Gustavo Vieira, Celso Guimarães, Sarah Fortes, Beatriz Ebecken, Keren-Hapuk, Matheus Neves.

Ficha Técnica

TEXTO - Núcleo de Dramaturgia do TCC
DIREÇÃO - Jiddu Saldanha
DIREÇÃO ASSISTENTE - Nathally Amariá
DIREÇÃO MUSICAL - Kéren-Hapuk
FIGURINOS - Gabriel Rodrigues e o grupo.
DESIGN GRÁFICO - Gustavo Vieira
MAQUIAGEM - Beatriz Ebecken
FOTOS - Manuela Ellon e Pedro Brandoff
CONSULTORIA CÊNICA - Bruno Peixoto e Anna Fernanda
ILUMINAÇÃO - Wagner Cabral e Anngley Medeiros
CONTRA REGRA - Jean Monteiro
EQUIPE DE APOIO - Henrique Selani, Jean Monteiro, Danilo Tavares e Duda Machado
ELENCO: Nathally Amariá, Gustavo Vieira, Celso Guimarães, Sarah Fortes, Beatriz Ebecken, Keren-Hapuk, Matheus Neves.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

TCC - Projeto de Circulação Local.

Domingo, agora, dia 05 de Julho, às 20h. a peça "Piquenique no Front", encenada pelo TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, estará se apresentando no ESPAÇO GARAGEM, sede do grupo Creche na Coxia. Será o primeiro passo em direção à circulação pelos espaços independentes que já existem a muito tempo e servem para local de ensaio de grupos da cidade.

No Teatro Municipal de Cabo Frio, a 20ª Apresentação do espetáculo "Piquenique no Front", abriu a perspectiva de levar
um espetáculo de rua para o palco, aproveitamento de um equipamento cultural público para um grupo independente.


Próximo a completar um ano, o TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, busca sua afirmação na cidade de Cabo Frio, através de ações simbólicas que vão culminar numa possível "libertação" das amarras do teatro local, que, para sobreviver, depende de um circuito restrito ao Teatro Municipal de Cabo Frio, insuficiente para uma cidade que já ultrapassa os 200 mil habitantes.
Desde que se apresentou no Espaço Aroeira (Ogiva), com a peça "Eu só Liguei pra dizer que te amo", texto de Jiddu Saldanha, em Janeiro deste ano (2015), o grupo vem discutindo alternativas para mostrar seu trabalho de forma independente. Foi assim que nasceu o projeto do "Piquenique no Front", do dramaturgo espanhol, Fernando Arrabal, já com um formato para  ruas e praças. O resultado foi positivo. Foram, até agora, 23 apresentações nas praças da cidade e uma apresentação no Teatro Municipal. A próxima apresentaçãom "Piquenique no Front" conta com a participação dos atores: Danilo Tavares, Beatriz Ebecken, Nathally Amariá, Kéren-Happuk, Celso Guimarães, Sarah Fortes, Duda Machado e Gustavo Vieira.
Com um quadro de artistas, quase todos em início de carreira, o TCC pretende ser um grupo com formação de repertório e pesquisa teatral variada, embora tenha em seu nome a palavra comédia, entendemos comédia, aqui, como uma forma expressiva de levar a arte em todos os seus estilos. Não somos um grupo fechado no gênero humor, mas buscamos a profundidade da "comédia humana", um exercício quase psicanalítico de mergulhar na alma humana e extrair dela o que tem de mais profundo e risível.

SERVIÇO: 
ESPETÁCULO: "Piquenique no Front"
LOCAL: Espaço Garagem
DATA: 05 de Julho - 2015
HORA: 20h.
ENDEREÇO: Rua Américo Ferreira da Silva N. 08, Parque Burle (atrás da UPA - Proximidades da escola Canto dos Pássaros) -

INGRESSOS: R$ 5,00 - meia e R$ 10,00 inteira.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Fest Solos se afirma em Cabo Frio


Foram mais de 70 artistas envolvidos, em diversas funções, num evento que trouxe ótimas energias para a cidade de Cabo Frio - RJ.

Seguindo uma tradição mundial do teatro e ao contrário do que muita gente pensa, o solo não é a afirmação da solidão e sim um exercício do protagonismo do ator. Com este espírito, podemos dizer que o evento encontrou em Cabo Frio uma ressonância mais que esperada. Foram mais de 70 artistas envolvidos, em diversas funções, num evento que trouxe ótimas energias para a cidade.
Depois de tudo o que batalhamos, ainda encontramos forças para fazer uma ótima reunião de avaliação com a equipe, coordenada por Yuri Vasconcellos, que deu o tom ao trabalho e direcionou diversas ações para o próximo ano, onde realizaremos a terceira mostra fesTSolos. A gratidão a todos os participantes e o desejo de que o teatro possa seguir adiante, em nossa região, com gente nova e antiga, com gerações intermediárias e muita cumplicidade para seguir construindo uma identidade forte e comprometida com as gerações futuras.
GRATIDÃO A TODOS,
Jiddu Saldanha.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Fest Solos 2 - 2015. Está chegando o grande momento, venha prestigiar o TEATRO.

Ingressos: R$ 5,00 meia e R$ 10,00 inteira
O Protagonismo do Ator.
O Fest Solos 2 é um evento criado com o objetivo de dar vazão a uma tendência que a muito vem se confirmando no teatro brasileiro: O solo cênico, o monólogo, o  número individual ou a expressão de uma inquietação e busca, pela expressão de um único artista, auxiliado por uma equipe ou não.
Cabo Frio irá sediar pela segunda vez, este tipo de evento, pois, é notória a quantidade de artistas locais que buscam expressar seu trabalho sem foco competitivo, apenas para descobrir suas capacidades, avaliadas pelo calor e a relação direta com o público.  É por isso que decidimos criar este evento, dedicado exclusivamente à arte do solo em cena, protagonizando a atitude do ator, em toda sua extensão.

Equipe de Voluntários, fazendo nossa arte fluir por entre os poros!
O Fest Solos é uma mostra de solos profissionais e uma vitrine para solistas amadores de diversas áreas artísticas: Dança, teatro, circo, performance, mímica, etc... que queiram, também, mostrar seu talento de iniciante ou de veterano, dentro de suas pesquisas estéticas.

O Fest Solos 2 será composto por 6 momentos:.

1 - OFICINA DE PERFORMANCE - Ministrada por Karol Schittini, e que será sábado e domingo. dias 23 e 24 de Julho das 09h. às 12h - VAGAS LIMITADAS, inscrição até o dia 17 de Maio, ver informações detalhadas no blog Teatro Possível www.teatropossivel.blogspot.com
2 - MOSTRA LIVRE DE SOLOS CÊNICOS - Dia 23 e 24 de Maio, sábado, das 15 às 17:30h e domingo, das 15 às 16:30. Composta por participantes inscritos, gratuitamente, para mostrar ao público presente sua performance com até 12 minutos de duração, sem tempo mínimo.
4 - PALESTRA SOBRE A ARTE DO ATOR - Dia 23 de maio às 18h. na Sala Angelo Samerson, do teatro municipal, entrada pelos fundos do TEATRO. O professor Henrique Selani Silva (IFF - Cabo Frio), falará sobre a arte do ator desde seus primórdios, até nossos dias.
5 - MESA DE BATE PAPO - DIA 25 de maio das 17h. às 18:30h. tema, "O Protagonismo do ator na sociedade atual com a participação de artistas especialmente convidados.
6 - MOSTRA DE CONVIDADOS - dias 23 e 24 de maio às 20 horas, com a presença de artistas convidados.

A segunda edição do FestSolos, conta com curadoria e produção de Jiddu Saldanha, assistência de Produção de Nathally Amariá e apresentação de Kéren-Hapuc. Dispomos, também, de um corpo de voluntários, coordenados por Yuri Vasconcellos, além de uma equipe técnica especializada, para atender os anseios de um evento com a qualidade que o público merece.

Equipe fesTSolos II – 2015

Produção: Jiddu Saldanha)
Assistente de Produção: Nathally Amariá
Apresentadora: Kéren-Hapuk – Androgina Cianureta
Oficineira: Karol Schittini
Palestrante: Henrique Selani
Audiovisual: Yuri Vasconcellos, Ana Lu Barbosa, Thiago Andrade
Lucas Rochas
Técnicos: Anngley Medeiros
Wagner Cabral
Direção de Palco: Luana Azeredo
Contrarregras: Nayara Alvez
                           Cleiton Fernandes
                           Patrícia Cabral
Foyer e Platéia: Matheus D’Castro
                             Maria Eduarda
                             Cristal Gabetto
Recepção,
assistência palestra
e  Mesa de Bate Papo:
Laisy Rodrigues
Assistência Oficina: Nayara Luiza
Correria: Celso Guimarães

terça-feira, 5 de maio de 2015

Mostra livre de solos, dia 23 de maio das 15 às 17:30h e dia 24 das 15h ás 16:30h, sábado e domingo. IMPERDIVEL!

Matheus Neves, Pedro carvalho, Anna alves, Beatriz ebecken, Mayra zobrist, João pedro Papini, Harley de Bragança, Kéren Linno, Guilherme Carvalho, Lucas Cedro, Paulo Hugo, Sarah Fortes, Gutavo Vieira, Ralph Bravo, Vantuil Costta, Anna Fernanda, Priscila Mayer, Luan Machado, Poliana Soares, Wenerson Ramalho, Daniel Ericsson, Maria Eduarda Franco, Gabriela Assumpção, Matheus D'Castro, Nathally Amariá, Tamiris Nazareth, Karol Schitini, Daniel Arm.



MOSTRA LIVRE DIA 23 DE MAIO, SÁBADO, A PARTIR DAS 15H. 

Atenção: A Ordem de entrada dos artistas serão divulgadas somente no dia da apresentação, por isso, todos devem chegar no teatro por volta de 13h. Para a concentração e abrir os envelopes com a ordem de entrada. 

“Estudo para pequenos mistérios"
Atriz: Anna Fernanda
Direção: Bruno Peixoto
Dramaturgia: Bruno Peixoto
Duração: 8 min.

"O Bem e o Mal"
Ator: Herold Oliver


Direção: Beatriz Ebecken

Dramaturgia: Autor desconhecido

Duração: 8 min;


"Cléo na Contramão"
Atriz: Anna Alves
Direção: Nathally Amariá
Dramaturgia: Jiddu Saldanha
Duração: 8 min

Sede de Luz"
Atriz: Kéren Linno
Direção: Débora Diniz
Dramaturgia: Kéren Linno
Duração: 12 min

"O Sertanejo"
Ator: Paulo Hugo Rodrigues
Direção: Celso Guimarães Júnior
Dramaturgia: Celso Guimarães Júnior
Duração: 8 min.

"Contraste"
Ator: Vantuil costta
Direção: Walter Ramos
Assistente de Direção: Carlos Braga
Dramaturgia: José Moacyr
Duração: 8 min.

"Alouísie"
Atriz: Poliana Soares
Direção : Larissa Gomes
Dramaturgia : Larissa Gomes
Duração: 8 min.

"Seu Coisinha"
Ator: Wenerson Ramalho
Direção: Rodrigo Sena - Grupo: Entrepalcos
Dramaturgia: Rodrigo Sena e Wenerson Ramalho
Duração: 10 min.

"Porque se morre só".
Atriz: Priscila Mayer
Direção: Priscila Mayer
Dramaturgia: Priscila Mayer
Duração: 9 min

"Sozinho outra vez"
Ator: Lucas Cedro
Direção: Kéren Linno
Dramaturgia: Lucas Cedro
Duração: 12 min

INTERVALO

"O Pássaro e Eu"
Atriz: Karol Schittini

Direção: Karol Schittini

Dramaturgia: Karol Schittini

Duração:4 min.


"O Banho"
Ator: Gustavo Vieira
Direção: Gustavo Viera e Jiddu Saldanha
Dramaturgia: Gustavo Vieira
Duração: 7 min.

"Lorelice vai ao Baile"
Atriz: Sarah Fortes
Direção: Jiddu Saldanha, Nathally Amariá e Daniela Arm
Dramaturgia: Jiddu Saldanha
Duração: 5 min

"Triste dos dias"
Atriz: Tamiris Nazareth
Direção: Tamiris Nazareth
Dramaturgia: Rodrigo Sena e Tamiris Nazareth
Duração: 8 min.

"Divagações"
Ator: Ralph Bravo
Direção: Valter Ramos
Dramaturgia: Adaptação texto autor desconhecido
Tempo de duração: 8min.

"Coloramor"
Atriz: Mayra Zobrist Rodrigues
Direção: Beatriz Ebecken
Dramaturgia: Mayra Zobrist Rodrigues
Duração: 5 mim.

 "Baseado em Mim"
Atriz: Beatriz Ebecken
Direção: Kéren-Hapuk
Dramaturgia: Kéren-Hapuk com inserção de poemas de Beatriz Ebecken
Tempo de duração: 7 min

"Vertigo"
Ator: Luan Machado
Direção: Luan Machado
Dramaturgia: Inspirado nos roteiros de Alfred Hitchock
Duração: 8 min.

MOSTRA LIVRE DIA 24 DE MAIO, DOMINGO, A PARTIR DAS 15H.

 Atenção: A Ordem de entrada dos artistas serão divulgadas somente no dia da apresentação, por isso, todos devem chegar no teatro por volta de 13h. Para a concentração e abrir os envelopes com a ordem de entrada. 

"Brooklyn Baby"
Atriz: Maria Eduarda Franco
Direção: João Pedro Machado
Dramaturgia: João Pedro Machado
      Duração: 12 min

"A Despedida"
Ator: Matheus D' Castro
Direção: Keren-Hapuk e Matheus D' Castro -
Grupo Entrepalcos
Dramaturgia: Matheus D'Castro

Duração: 9min.

"Homo – Quero ver, me convencer a viver"
Ator: Matheus Neves 
direção: Kéren-Hapuk
Dramaturgia: Kéren - Hapuk
duração: 8 min.

"Incomensurável Incógnita"
Bailarina: Gabriela R. Assumpção
Coreografa: Gabriela R. Assumpção
Duração: 02:50 min.

"Mítico, o Mímico"
Ator: Harley de Bragança
Direção: Jean Monteiro de Almeida
Dramaturgia: Jean Monteiro de Almeida
Duração: 9 min.

"Clown Hamlet"
Ator: Daniel Arm
Direção: Jiddu Saldanha
Dramaturgia: Jiddu Saldanha e Daniel Arm
Duração: 12 min.

"Jocileide, Doida do Barraco"
Ator: João Pedro Papini
Direção: João Pedro Papini
Dramaturgia: João Pedro Papini
Tempo de duração: 5 min

"Laranja"
Ator: Pedro Carvalho
Direção: Matheus D’Castro  Dramaturgia: Matheus D’Castro

duração: 6 min
duração: 6 min

"Uma flor para Evita".
Atriz: Nathally Amariá
Direção: Jiddu Saldanha
Dramaturgia: Jiddu Saldanha


Duração: 12 min


"Carolina"
Ator: Guilherme Carvalho de Abreu
Direção: Yasmim Ferreira
Dramaturgia: Guilherme Carvalho e Yasmim Ferreira
Duração: 12 min.

"Humanas Exatas"
Ator: Daniel Ericsson
Diração: Daniel Ericsson
Dramaturgia: Daniel Ericsson
Duração: 10 min

"O Tempo é de Medéia, o dia é de Joana"
Atriz: Claudia Mury
Direção: Lauren Christie
Dramaturgia: Chico Buarque
Tempo: 6 min