segunda-feira, 24 de março de 2014

COMENTÁRIO DOS ESQUETES EXIBIDOS NO DIA 17 DE SETEMBRO NO FESQ - 2013

A Bailarina ou o Inventário dos Guardados da Caixinha de Música.

Grupo – Interferência Teatral

Texto – Rafael Cal

Elenco – Renata Egger



O Texto de Rafael Cal se mostrou maduro, com camadas bem delineadas de uma tensão contida. A interpretação da atriz Renata Egger esteve à altura da proposta, seus traços contidos e sua gestualidade econômica tiveram momentos de explosão na hora certa, destaque para a voz, que apresentou uma boa inflexão e se manteve até o final.

Atentar para a exploração de planos diferenciados durante a cena ao invés de manter o excesso na postura de bailarina de caixinha de música apenas, seria interessante construir uma corporalidade versátil sem perder o signo princial, explorando os planos alto, médio e baixo com mais equilíbrio.



***



Burburinho – O Pássaro do Amor.

Grupo - Alcoviteiros

Texto – Paschoal Meato

Diretor – Paschoal Meato



Ótima releitura resumida de Romeu e Julieta e Otelo, de Shakespeare para uma realidade cômica e gay, mas muito mais focada na diversão do que na propaganda panfletária da preferência sexual das persoanges. Toda a cena transcorre de forma natural, propondo, num certo sentido, uma sociedade sem preconceitos.

Direção ágil, equilibrando bem a caixa cênica e o desempenho dos atores. Destaque para a interpretação istriônica de Pachoal Meato, que dirigiu e adaptou o texto também.

Ficar atento aos estereótipos, megulhar fundo na pesquisa e ensaiar bastante para retirar o máximo de “gordura” do espetáculo, que, em algum momento, pareceu se arrastar.





A Jornada

Grupo – Cia Ratos de Palco

Texto – Diogo Nery

Direção – Diogo Nery



Bom desempenho do elenco, que esteve equilibrado no palco, contando juntos uma bela história que foi capaz de encantar crianças e adultos. A dramaturgia é muito mais em forma de roteiro do que, propriamente um texto teatral, no entanto é um trabalho que flerta com o público, do começo ao fim. Destaque para a ótima intervenção de platéia, onde, a pessoa escolhida do público passa a compor o elenco da peça, do começo ao fim.

O grupo deve ficar atento à vocalização em cena, as vozes, a pesar de falarem por onomatopéia, precisa ser audível e chegar até o público com clareza de intenções.


Madame Perversus

Grupo: Juvêncio Produções

Autor – Fabricio Bitencourt

Diretor – Fabricio Bitencourt



O espetáculo tem ótimos posicionamentos de elenco no palco, utilizando, através de uma cenografia bem prática e útil, várias possiblidades de uso do palco. A composições de entradas e saídas das personagens são ricas e o figurino é condizente com a história contada. A dramaturgia é densa e bem elaborada.

Ficar atento ao ritmo da cena e melhorar o uso da voz, em alguns momentos as falas ficaram inaudíveis, fazendo com que algumas palavras se perdecem o que ocasionou um pouco de confusão na hora de degustar o trabalho autoral. Destaque para a atriz Miliane Bodnarasec que fez uma impactante composição da personagem central da peça.



Entre Amigas

Grupo – Cia Inversus

Texto – Gabrielli Leite

Diretor – Cia Inversus



O grupo funciona bem como um coletivo, conseguindo bons resultados. Destaque para o revesamento de atores interpretando os mesmos personagens, conferindo ao trabalho um ritmo interessante. A Vocalização, entretanto, precisa ser levada em conta, pois, o posicionamento no palco fez com que as vozes, em algum momento desaparecesse e o texto ficasse inaudível.

O Elenco rendeu bem, mas pode treinar e coreografar mais cada momento para que o trabalho ganhe mais ritmo.


Os Rumos da História

Cia – Sem Lenço

Autor – Max Oliveira

Diretor – Max Oliveira



O texto tem uma ótima quebra em seu ritmo que, no início, parece maçante (propositadamente) até o elenco se rebelar contra o narrador, a peça faz uma leve referência ao teatro de Pirandelo e dá ao público uma boa degustação de uma dramaturgia bem construída. O público acolheu bem o trabalho que se comunicou de forma criativa.

Faltou pesquisa de figurino e usar melhor os recursos do teatro (iluminação) em alguns momentos o trabalho pareceu se arrastar. O grupo investiu claramente num tipo de investigação cênica mas correu pareceu ter abandonado a cena no meio do caminho. Fica a sugestão para que a ideia central da direção não se perca.



Desgosto de Filha

Grupo - Cia Psicoloucos

Autor – Oscar Calixto

Diretor – Oscar Calixto



Trabalho bem estruturado na dramaturgia e composição cência, com boas marcas, ótimos desenhos e boa movimentação no palco. O elenco equilibrado e bem diverso só enriqueceu a comédia. A cena fez um bom uso da iluminação, compondo um ótimo visual no palco. Destaque para a surpresa do texto que usou o recurso da “grande virada” e assim, romper com o estereótipo da sexualidade como tabu.

A peça se insere numa máxima Junguiana: “Quando o estereótipo age ao contrário, o imaginário vai ao infinito”. Ao mexer com o imaginário do público a platéia se sentiu valorizada e passou a ver o que parecia ser apenas uma comédia, como alguma coisa para se pensar a mais. O tom provocativo acabou reforçando todo o trabalho que fechou bem.

O grupo pode melhorar o trabalho de vocalização e deve ficar atento aos objetos usados, na cena do jantar a comida é verdadeira, o que pode mexer na concentração do ator, por isso, o trabalho não pode cessar nuca.



(Jiddu Saldanha – Debatedor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário