sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Teatro de Rua. Uma nova esperança

Está renascendo, em Cabo Frio, uma nova onda. Jovens oriundos do OFICENA - Curso livre de teatro de Cabo Frio, escolas públicas onde o teatro é incentivado, coletivos variados da cidade e artistas já fixados em Cabo Frio, começam a perder o medo e investir em apresentações na rua. É um recomeço cheio de entusiamo, esperança e muita união. Numa cidade que depende do turismo para seguir adiante, a arte de rua pode trazer um ar renovado e oferecer uma outra faceta mais cultural local e, assim, consolidar postos de trabalho para quem produz e faz arte local!

No dia 19 de Dezembro de 2015, o OFICENA ocupa a rua pela primeira vez com o intuito de levar o trabalho dos alunos e mostrar o elenco novo do "O Inspetor Geral", peça de seu repertório. Com isso, o curso passa a repensar sua própria visão de repertório, abrindo para o trabalho dos alunos, já consolidados e que passam a repetir cenas, criando uma visão de permanência e experimentalismo cênico, importante para a arte do ator.



Desde que o OFICENA surgiu, em 2013, a palavra de ordem sempre foi AUTONOMIA. Adolescentes e jovens vindos de diversos bairros de Cabo Frio fizeram do Teatro Municipal Inah de Azevedo Mureb, um ponto de encontro para suas criações. Se apropriaram do espaço público e foram ganhando confiança, entretanto, por ser o único teatro da cidade, e com uma diversidade de produções, os estudantes, orientados pelos professores Italo Luiz Moreira, Jiddu Saldanha e Yuri Vasconcellos, começaram a ganhar as ruas. 
A praça da cidadania tornou-se uma espécie de teatro a céu aberto, onde aconteceram aulas e ensaios públicos, oficinas e vivências, além de local para passar o tempo na convivência permanente com a arte do teatro. A atividade intensa, foi chamando a atenção das pessoas que passavam e logo, o público começou a aparecer. Alguns estudantes, perceberam uma oportunidade para exercitar a tão falada autonomia, um desejo forte da equipe de gestores, professores e estagiários do curso. Com isso, lançou-se novas sementes para o teatro de rua, em Cabo Frio.

"Rua da Arte", no dia 20 de dezembro de 2015, na praça da Cidadania reuniu vários grupos e solistas para marcar presença no Teatro de Rua da cidade. O movimento juntou artistas históricos da cidade, junto à nova geração, com isso, uma guinada no teatro de rua, em Cabo Frio. Surge um movimento.


Em 2015, aconteceu a grande explosão. Primeiro, o TCC - Teatro Brasileiro de Comédia, fundado em agosto de 2014, lança em janeiro de 2015, sua primeira produção pensada especialmente para a rua. O espetáculo "Piquenique no Front" de Fernando Arrabal, ensaiado em janeiro de 2015, atravessou o ano com 33 apresentações na rua e duas no Teatro Municipal, estava firmada a tendência de se construir uma cena de rua em Cabo Frio, seguindo a trilha dos grupos históricos da cidade, o Creche a Coxia, o TAT - Trupe Andarilhos de Teatro e a TRIBAL - Associação Tributo à Arte e Liberdade.
Em meados de novembro de 2015, surge o grupo IMAGINÁRIO, capitaneado por Gustavo Vieira, um dos fundadores do TCC, em parceria com Anna Alves, atriz versátil, com participação em diversos projetos locais.  Tanto Gustavo como Anna, fazem parte do coletivo de artistas Arte em Si Bemol, um grupo voltado para diversas formas de expressão artísticas e que já vai completar 3 anos.

No dia 15 de setembro, na praça Porto Rocha, o TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, foi convidado pela equipe do FESQ para apresentar o "Piqueinique no Front". O FESQ foi a única janela formal para o teatro de rua, nos ultimos 10 anos.


Conforme o curso OFICENA foi acontecendo, com diversas intervenções de rua a partir de seu repertório principal, formado por alunos da turma da noite; aconteceu um fator que mudou radicalmente o rumo e a energia da forma de de fazer teatro no OFICENA. Alunos, ainda adolescentes, da turma da tarde, resolveram se organizar, de forma espontânea para participar do FESTUD, um festival estudantil que ressurgiu em 2014, portanto, em boa hora. Com o fortalecimento de parcerias que renderam ótimas participações e indicação de prêmios, e até mesmo, premiações. Com este estímulo, surgiram alguns grupos novos: OPERÁRIOS DO TEATRO BRASILEIRO, SEM FOCO, NÓS SOZINHOS e o grupo ARTilharia TEATRAL - GTA.
O curioso nos grupos acima, é que quase todos levaram seus trabalhos para a rua, embora fossem cenas criadas especialmente para palcos, muitos grupos já haviam conquistado, também, o espaço nas escolas, facilitando o experimentalismo diversificado de público, com isso, o  ganho de experiência, fez com que os trabalhos se adaptassem facilmente para a configuração de cena de rua, durante o mês de dezembro. De forma paulatina, os grupos começaram a afluir para a praça da cidadania, nos espaços CAPOEIRA e ZEN e depois para outras praças, tais como a PORTO ROCHA e o BOULEVARD CANAL.

Investindo na arte da mímica associada á contação de história, o grupo Imaginário, foi uma iniciativa que nasceu com uma linguagem apropriada para diversos espaços não convencionais, uma autêntica formação de Teatro de Rua.
No dia 20 de dezembro de 2015, um coletivo de artistas, envolvendo os grupos: IMAGINÁRIO, palhaço RUFINO, palhaço MIXIRICA, grupo SEM FOCO, o coletivo ARTE EM SI BEMOL e o ator DANIEL ARM, fizeram um bonito encontro na praça da cidadania, no espaço CAPOEIRA, um fato que mexeu com a comunidade de teatro, principalmente os atores da nova geração. Com uma multidão indo para a praça da cidadania, saudar o primeiro espetáculo colegiado de artistas de rua, que já não acontecia a mais de 10 anos em Cabo Frio. A experiência do teatro de rua, na cidade, só acontecia por apoio do FESQ, um importante festival nacional, focado na atividade teatral, dentro do teatro, mas que começou a oferecer oportunidades para a arte teatral na rua. Fora a ação do FESQ, tínhamos esporádicas intervenções do CRECHE NA COXIA, do TAT - Trupe Andarilho de teatro e
posteriormente da TRIBAL, uma associação de artistas que chegou a criar um espetáculo para ruas e praças; o Auto do Trabalhador, de João Siqueira.

Mixirica, Rufino Rufino, Florzinha e o ator Daniel Arm, juntos, na Rua da Arte, uma junção artistas experientes e jovens que
fez da Rua da Arte um evento para todos!


O grupo "Sem Foco" composto por alunos do OFICENA, na "Rua da Arte"
garantiu o diálogo entre gerações da arte de rua, embora novo ainda, é um grupo
que veio pra ficar.







... A temporada de verão é muito fértil em Cabo Frio, devido à enorme presença de turistas na cidade, momento oportuno para os grupos se organizarem. Fazer dinheiro para investir em material básico para se apresentar na rua. Figurinos austeros, pouco cenário e maquiagem, além, claro, de mostrar um outro rosto da cidade, que costuma ser "sugada até o caroço" por um turista que encontra na cidade apenas a cultura dos grandes shows de praia, com destaque para "bandas de axé". A presença do teatro de rua, pode oferecer um pouco mais, talvez uma guinada em relação ao turismo cultural na cidade; além de oferecer oportunidade para os artistas locais, que sofrem com a falta de emprego e renda do setor artístico, historicamente voltado para uma ação muito mais diletante do que profissional.
O profissionalismo do teatro pode ser um grande sopro de esperança para os jovens que sonham em fazer uma carreira artística, num país de pouquíssima oportunidade para quem está começando. Em Cabo Frio, devido à sua forte tradição voluntária dos artistas que fazem teatro, o TEATRO DE RUA, promete trazer novas luzes para a linguagem artística além de oferecer a possibilidade de trabalho justo e honrado para quem se arvora neste complexo universo da arte teatral.
SEJAM TODOS BEM VINDOS.

Um comentário: